O segredo do conde


Autora: Lorraine Heath
Série: Os sedutores de Havisham, 2
Editora: Gutenberg
Ano de publicação: 2018
Número de páginas: 288
“Em uma noite de verão, Edward Alcott cede à tentação e beija Lady Julia Kenney nas sombras de um jardim. A paixão que se agita dentro dele, no entanto, precisa permanecer oculta, porque a jovem está noiva de seu irmão gêmeo, o Conde de Greyling. Mas quando uma tragédia atinge família dele, Edward faz um voto ao irmão doente, fingindo ser Greyling até que a condessa dê a luz ao primeiro herdeiro.

Depois que ele retorna de uma viagem de meses na África do Sul, Julia encontra um esposo completamente transformado. Apesar de estar abatido pela morte do irmão, ela o vê mais ousado e perverso e, ao mesmo tempo, com um cuidado que nunca teve antes. E, a cada dia, ela se apaixona mais profundamente por ele.

Para Edward, as brumas do desejo provocadas naquela noite tempos atrás são rapidamente reavivadas. Ele anseia ser o verdadeiro marido dela. Mas deve se atrever a arriscar tudo e revelar seus segredos?”
 

Ando em overdose. Admito: I am addicted. (Rs) E fui avisada de que tal realidade seria a minha... rsrs.

Gostei muito do primeiro, Codinome Lady V. Mas ler este, O segredo do conde, foi uma experiência... diferente. Senti tudo – e muito.

Edward Alcott é indescritivelmente cativante e a agonia sentida quando ele adoece não se restringiu à Julia, ou à viúva e família que ele ajudou. Inquietude.

Ele é irmão gêmeo do Albert e eles formaram vínculo com o Ashe e o Locksley como irmãos desde que ficaram órfãos em um acidente que levou os pais deles e os do Ashe quando criança. O Locksley é filho do homem que ficou como guardião deles. Quando regressa da África com o corpo do irmão e a sua identidade, seus “irmãos de criação” logo percebem a farsa. O que as pessoas falam dele pensando ter sido ele quem morreu é... 😕 Ninguém fora do seu círculo o conhece realmente.
💜
“Não a deixe perder o bebê.
Seja eu. Seja eu. Cuide dela.
Leve-a para a Suíça.”
- As últimas palavras do irmão moribundo.


E a medida que a Julia observa, sente, tenta... Mesmo grávida, a química é incrível!
“Ele tomou a boca de Julia com apetite, desejando o máximo de intimidade que podia ter sem ser consumido pela culpa. Isso viria mais tarde.” – p.98
(A cena da banheira mostrou uma Julia ousada como nunca seria com o Albert.)


Ele tenta se esquivar ao máximo - uma tortura -, sempre usando o bem estar dela e do bebê. (Julia já perdeu outras crianças antes, durante a gestação.) A revelação da mudança de identidade entre os irmãos é adiada ao máximo. Quando a criança nasce não se trata de um herdeiro, mas uma menina linda! – que Edward ama como dele: Lady Alberta.

“... tentando entorpecer com a bebida, para esquecer que elas não eram suas. Esquecer que todas as emoções que se agitavam em seu peito – orgulho, afeto, alegria – deviam ser pelo fato de ele ser cunhado e tio, não marido nem pai.” – p.124

E, então, adia mais um pouco...

Até que o mundo cai.  

Ele tenta pensar em alternativas, tenta explicar... Ele não é mais o mesmo inconsequente de antes. Ele “a perde”... Enquanto ela, incrivelmente, “o encontra”. O diário deixado pelo Albert a ajuda no momento do luto, dos pensamentos conflitantes... E a cena do jardim não dissolve, os sentimentos não extinguem.

Muitas emoções... Sentimentos... Puros ou pecaminosos, intensos.

... “Eu quero que você seja quem quiser ser.” ...


Um abraço,
Carolina
.

2 comentários

  1. Gostei mais do primeiro, não que esse seja ruim, mas achei meio parado demais e isso fez com que eu demorasse para concluir a leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por vezes é o nosso momento também... Mas acontece! rsrs
      O primeiro também foi uma gratificante surpresa!! <3

      Excluir