Fevereiro (A garota do calendário, 2)


Autora: Audrey Carlan
Série: A garota do calendário
Editora: Verus
Ano de publicação: 2016
Número de páginas: 144

“Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.

A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.”
 Há publicações em outros dois blogs e, como sempre, há modificações, oui?!..



Depois do mês que passou na Califórnia com o Wes, e apesar da saudade que ela não deveria existir... Mia passará o mês de fevereiro distraída com um maravilhoso sotaque francês! Oui?!

Um famoso e lindo pintor, rodeado por pessoas nuas, modelos, beldades... 
Por que ela, Mia?

Ma Jolie!

Ele ressalta a simetria perfeita do rosto dela, as suas curvas, as emoções que expressa...

“Não, ma Jolie, você é única.”

Ele está com um novo projeto, uma série de sete telas:

    Amor à óleo.

    – Nada de amor para mim;
    – Ame a si mesmo;
    – Amor arruinado;
    – Amor proibido;
    – O amor machuca;
    – O nosso amor;
    – Amor egoísta;
    – Adeus, amor.

Alec incita emoções, retrata-as, trabalha elas nas telas, com tintas, fotos, marcas dos lábios da Mia... Momentos... amados.

“Vous êtes de l’art. Vous êtes l’amour. Vous êtes la beutê.”

E quem não gostaria de ouvir tais palavras, ser chamada de ma cherrie, ser tratada como uma deusa na Terra por um sexy Dubois cheirando a tinta com Hugo Boss?!... Não tão alto quanto o Wes, mas mais alto que a Mia, possuindo um corpo escultural, com cabelos longos e escuros - em contraste com os do...

Logo ao chegar, a Mia torce o pé mas, ainda assim, foi um mês inigualável! Embora esteja preocupada com a irmã e com o pai (ainda em coma), aprendeu a aceitar o que cada dia lhe provesse. E foram dias generosos! Aprendizados a cada tela... dia-a-dia.

Término de outro mês, uma folha a menos no seu bloco de notas: uma despedida.


E de Seattle para Las Vegas: visita rápida ao pai. Depois, Chicago, Illinois.

A história traz sensibilidade quando deve, sabe manter sensualidade e os acompanhados por ela são um “acréscimo”. A dosagem é importante, e deixa certo gosto de “quero mais”!

“Tu est un candeau de Dieu au monde.”


Um abraço,
Carolina.

2 comentários