Bem atrás de você


Autora: Lisa Gardner
Título original: Right behind you
Editora: Gutenberg
Ano de publicação: 2018
Número de páginas: 352 páginas
“Após uma tragédia que o separou por oito anos de sua irmã mais nova, Sharlah, o jovem Telly ressurge como o principal suspeito de uma onda de assassinatos.

Só uma pessoa é capaz de desenhar o perfil do criminoso: o hábil ex-agente do FBI Pierce Quincy, que é convocado para colaborar no caso. Mas seu envolvimento como pai adotivo de Sharlah pode obscurecer sua linha de raciocínio ou levá-lo para um emaranhado de pistas desconexas, mostrando que o caso pode ir muito além do que parece ser.”


Um “incidente” culmina o “infortúnio” e uma grande bola de neve se forma.

Telly “se torna pai” com 4 anos de idade. Deixe-me explicar melhor: ele se torna “guardião” com tal idade – toma conta, “prepara o café” (Cheerios), coloca para dormir, protege, leva para a escola, para a biblioteca...

“Era importante ler. Foi o que alguém lhe disse. (...) Um livro por dia. Uma dose de literatura por dia para manter a saúde.” - p.7



A mãe já sorriu, mas foi em outros tempos, não mais. Quando o pai ainda trabalhava. Álcool, drogas, agressões... Outra “atribuição” do Telly: fazer com que ele e a Sharlah não estejam no caminho ou façam barulho...

Gostei da forma da apresentação. Presente aqui, ali, recordação de passados que corroboraram para o presente tratado. Em dado momento me entristeci pelo acusado, quis que fosse ajudado, que fosse inocente.

A Shelly Atkins, xerife, foi chamada: assassinato duplo em uma loja de conveniências de posto. Está claro, desde o início, quem foi o atirador. Os pais de acolhimento, Frank e Sandra Duvall foram encontrados logo depois, também mortos. Tinham armas... Então, o suspeito está foragido e fortemente armado. Rastreadores são chamados, entre eles, Cal Noonan, e seguem rumo Norte. Duas pessoas da equipe são feridas – por que apenas feridas?... Será a mira?

Os consultores Pierce Quincy e Rainie foram chamados pela Atkins. O que os inquieta?... Telly, o suspeito, é o irmão biológico da filha adotiva deles. Sim, a Sharlah, após vários lares e agora com 13 anos está para se tornar filha legítima deles.

“... Pessoas que me querem bem (...). Pessoas que me aceitam, mesmo quando não consigo levantar a mão na sala de aula, falar na frente de desconhecidos, ou fazer as coisas que eu sei que devo fazer. Pessoas que me amam, o suficiente para ativamente planejar meios de me proteger, porque pertenço a eles e eles não vão abrir mão de mim sem lutar.” – p.128, Sharlah.

E se eles tivessem permanecido juntos, ela e o irmão? Seria ele um risco à vida dela? Não! Ele sempre a protegeu! Mas ela nunca tentou entrar em contato... Herói ou bandido?... O que é e o que esperam dele? – E eu torço, cada vez mais e mais para ter uma explicação, para não ter sido ele, para que fique bem...

“Telly tem diversos desafios importantes. Primeiro, ele não consegue dormir. Trauma, exposição excessiva à violência, ansiedade... escolha seu motivo preferido. Então ele raramente dorme mais que uma ou duas horas por noite...” – p.111, agente de condicional do Telly para o criador de perfis, o Quincy.

Não consegui parar de ler. Não podia..! 

Uma aparição, um detalhe, uma pista, tentativas... Busca, conversa, calma, loucura!... Os pais de acolhimento, os pais de adoção. Quem foram cada um deles e quem são? Qual a real motivação? E um “twist” inesperado e, para mim, um tanto quanto... Digamos que pude respirar um pouco – sim, cheguei a prender respiração! Quem é alvo? Por quê? Quais as intenções?...

 

A experiência de leitura foi rica e gratificante.

Um abraço,
Carolina.

Nenhum comentário