Mais escuro

Autora: E L James
Título Original: Darker
Editora: Intrínseca
Ano de publicação: 2018
Número de páginas: 496
"O relacionamento quente e sensual de Anastasia Steele e Christian Grey chega ao fim com muitas acusações e sofrimento, mas Grey não consegue tirar Ana da cabeça. Determinado a reconquistá-la, ele tenta suprimir seus desejos mais obscuros e sua necessidade de controle absoluto, e disposto a amar Ana nos termos estabelecidos por ela.
Mas os horrores de sua infância ainda o assombram, e, como se não bastasse, o chefe manipulador de Ana, Jack Hyde, claramente a quer. Será que o terapeuta e confidente de Grey, Dr. Flynn, poderá ajudá-lo a enfrentar seus demônios? Ou será que a possessividade de Elena, sua sedutora, e a devoção perturbada de Leila, sua ex-submissa, vão arrastá-lo para o passado?
E se Christian vai reconquistar Ana, será que um homem tão sombrio e cheio de problemas espera mesmo mantê-la?
 Pontuações:

* Não farei citações, pois muitas pessoas ainda leem;
* Não li trilogia inicial. Não me interessei na época e com o “assédio” constante das meninas na escola, perguntando o porquê da ausência do título no acervo... Portanto, não há comparações;
* Quis ler o ponto de vista dele pela vontade de descobrir os “gatilhos” que desencadearam o atitudinal – sim, o emocional/psicológico. Já me tinhas sido passado os spoilers: filho de prostituta, surra de cafetão, queimaduras de cigarro, mãe morta, adotado por médica que cuidou dele.

Gostei da leitura, que fluiu tranquilamente. Agradou-me o fato dele não apenas se questionar, mas lembrar de trechos de conversas com o Dr.Flynn, revisitar pesadelos (subinconsciente, memórias, traumas) e momentos felizes. Saber um pouco da infância, do compartilhado com o avô, suas primeiras palavras após anos de silêncio e o porquê foram proferidas.

Entristeceu-me quando se depreciava em pensamentos, a forma com a qual o fazia. Bem como alegrava-me quando eram pensamentos de possibilidades opostas.


Assim como a Ana e a Grace, não gosto da “única amiga” dele, saber coisas que fez – havia outras formas. Acredito que a Mrs.Robinson “colocou fermento no bolo”, que cresceu, intensificou algo que era para ser dispersado.


Certas confissões que o Christian fez à Ana foram bombásticas e não sei como reagiria se fosse comigo. Mascarar o susto inicial com certas descobertas exige da pessoa. Foi importante Ana manter a tranquilidade, outras, a firmeza!


Mas não reagi apenas com racionalidade, tristeza, comoção... Ri das pequenas alfinetadas e pirraças de um para com o outro, sempre dando certa leveza e/ou descontração em momentos cruciais.


O sentimento entre as personagens principais fica nítido. O laço criado é inegável. Não me refiro ao ato muito praticado, falo do Amor: zelo, carinho, concessões (de ambas as partes)... detalhes, verdades necessárias ditas, tentativas de autocontrole pelo bem estar do outro.


Devorei o livro! 



Um abraço,
Carolina.

Nenhum comentário