Jogo das ilusões

Autora: Bia Carvalho
Independente
Publicado em 2019
N° de páginas: 513

"Eu sempre me senti o dono de tudo. Intocável. Invencível. Até descobrir que não sabia de absolutamente nada. Como um ilusionista famoso, o mundo me foi oferecido em uma bandeja de prata, até este mesmo mundo ruir por dois motivos. Um deles, uma garota que estava pouco se lixando para a minha fama, meu dinheiro e meu nome. Uma que preencheu uma vida de escuridão com sua luz.
O outro motivo? Um assassino. Obcecado por mim, usando meus próprios truques como inspiração para seus crimes.
Só que agora eu tinha um ponto fraco – Letícia, a tal garota. E, aparentemente, ele sabia disso, porque também a transformou em um alvo, colocando em perigo as minhas próprias ilusões."

Por mais que leia os livros da Bia, ela nunca deixa de conquistar - sempre o faz! O sono vai embora, o coração aquece... Até os momentos de tensão (claro, existentes) nos envolvem...



                          Igor... Letícia...

A vida da Letícia está... estagnada! Seus três únicos clientes bebem no bar, rola alguma discussão, há uma repreensão básica, desculpas são pedidas... e o loop reinicia. Todas as noites.

Há o Otto, que checa vez ou outra e muitas vezes ajuda. Ele é policial e filho da segunda ex-esposa do pai da Letícia. (Rs) A Letícia mora no andar acima do bar, subindo escadas ao fundo.

O movimento sequer a estimula a consertar a porta do bar, quebrada e escorada a um tempinho... Tem a "margarida" para defendê-la  -  uma "tora" de madeira pintada. Tudo sempre igual... Como se a sua vida estivesse em stand by. Reluta em vender o bar por ter sido do seu avô. 

Até que uma "ilusão se apresenta": um homem lindo como Lúcifer, o príncipe das trevas, adentra seu bar, ignorando a placa que diz "fechado" ao ver que a porta não estava trancada. Seu objetivo: continuar a beber uísque sem ser importunado - e aquele bar vazio proporcionaria o que deseja. Sim, Igor é reconhecido por todos, exceto Letícia, ao que tudo indica. E tal fato o delicia! Ser apenas um cara em um bar.

Mas este já estava fechado! 
(O embate é divertido!)

Ele já "está alto", parece ter algo já "na conta" e a distração com a "bravinha" é válida - até o policial chegar... e ele partir. Uma coisa que deve-se saber: além de quase ½ irmãos, tiveram algo uma única vez quando bêbados mas ele parece "não entender" que nada mais ocorrerá. Ela gosta dele como amigo.

Duas semanas se passam e Igor é acordado pela Toni, sua assistente, com uma baita ressaca. Um homicídio foi cometido envolvendo seu nome: uma pessoa que chamou da plateia para participar de um número final do seu show. Nada demais. Mas a frase escrita na parede...

"Deixe-me jogar o jogo das ilusões com você."

Esta frase é pronunciada no início de cada show. Ele precisava de um álibi para descartar qualquer possibilidade, para constar. A bravinha é a pessoa com quem estava mas... qual o nome dela? Qual o nome do bar?... Rs.

Ele pode ser lindo, famosos, rico, maravilhoso, metido, convencido... mas com ela - ela sabe colocar ele no seu lugar! Kkk! Ela consegue o inconcebível! Até a famosa palavra desconhecida por ele, "desculpa", ele é obrigado a conhecer! O que tem de baixinha tem de "arretada"!
A interação entre eles, bem como a tensão... a química... o conjunto inteiro é ótimo! E o mistério? Quem está perseguindo o Igor e quantas pessoas terão que morrer?... Qual a razão de tudo isso? A pessoa é apenas uma sociopata, serial killer, ou o quê?
"Primeiro de tudo, gostaria de convidá-los a uma experiência completamente inesquecível. Durante as duas horas de show, peço que abram seus corações e que passem a acreditar em mágica. Que me deixem jogar o jogo das ilusões com vocês..."
(O quê? Conhece quem sempre consiga o que quer das pessoas e se ache o 
último biscoito do pacotinho? Aprenda com a Letícia! Kkk!)



Um abraço, 
Carolina.

4 comentários

  1. Carol, eu amo as suas resenhas. Você sempre extrai o melhor dos meus livros.
    Feliz Natal, meu amor. Obrigada pela parceria este ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada você, Bia, por transportar...
      (E fazer sonhar! Rs)

      Que muitas outras histórias venham!

      Abraço!
      (Beijos ficam para o ilusionista! ;D )

      Excluir