Amante sombrio


(Irmandade da Adaga Negra, 1)
Autora: J. R. Ward
Título original: Dark Lover
Editora: Universo dos Livros
Publicado em: 2010
No. de páginas: 448
“Em Caldwell, Nova York, sem que o restante da humanidade saiba, desenrola-se uma sórdida e cruel guerra entre vampiros e seus caçadores. Interagindo em favor dos vampiros existe uma Irmandade secreta, formada pelos seis vampiros mais fortes e poderosos, defensores de sua raça. E nenhum deles deseja a aniquilação de seus inimigos mais que Wrath, o líder da Irmandade da Adaga Negra.
Ele é o vampiro de raça mais pura e, ao perder um de seus mais fiéis guerreiros, que deixou órfã uma jovem mestiça (filha de pai vampiro e mãe humana) ignorante de sua herança e destino, não terá outra saída senão cuidar da bela garota e levá-la para o mundo dos não mortos.
Ela, Beth Randall, vê-se impotente ao tentar resistir aos avanços desse desconhecido incrivelmente atraente e sensual e que a visita durante a noite, envolto em sombras. As histórias dele sobre a Irmandade e o mundo dos vampiros a aterrorizam e fascinam. Seu simples toque faísca, um fogo que pode acabar consumindo ambos.”

Foi uma releitura. Lembro que quando li gostei bastante mas nada como re-experimentar...

Ri, gargalhei, indignei-me... Detestava as partes em que o Sr. X aparecia mas... fazer o quê?... Faz parte da história: guerreiros tem que ter inimigos! Mas como é detestável! Decerto, o principal vilão está por trás, Ômega, mas este quase não aparece.


O que falar?!?... Gente, que vampiros! Principalmente: que Rei! Wrath tira o fôlego tanto nos momentos em que está com a sua fêmea como naqueles em que está possesso! Como sangue mais puro, parece que tudo ao seu redor é... ampliado. Seus 1,95-8 metros de altura, cabelo liso, longo, negro... ombros com o dobro do tamanho da maioria dos homens, rosto aristocrático e brutal!

Beth Randall não fica atrás. Mesmo quando humana, é forte, determinada, durona!.. Não sei como eu reagiria se tivesse sido interpelada como ela o foi no início, uma tentativa de estupro! E que azar ser o garotinho de... que foi o agressor – filho de senador!

Sim, além de curiosa, afinal, é uma repórter, corajosa... é muito bonita. MUITO. (Cabelos longos, negros e fartos, olhos azuis de intenso brilho, pele... boca... pernas longas, cintura fina, seios proporcionais e, para o Wrath, cheira como uma flor intensamente perfumada), o que chama a atenção de quase todos. Os membros da delegacia de polícia tem queda por ela, o O’Neil... Apenas com o José, muito bem casado, consegue conversar mais à vontade. Detalhe: ela é filha do D. (Darius), um dos guerreiros da irmandade, morto de forma indigna, através de uma explosão do seu carro armada pelo Sr.X.
     

Bom, apenas um dos guerreiros possui uma companheira, o Tohr – Tohrment. Ela se chama Wellsie. A Marissa era prometida do Wrath e foi sua companheira sem o ser. Eles não bebem de humanos, mas das suas fêmeas, e vice versa. O irmão dela é médico, Havers, que detesta o fato da irmã ser “negligenciada” por quem deveria ser seu macho. Darius deixou um “servo”, o Fritz Perlmutter.

(Fritz fala de Darius) “Preocupava-se pelo senhor ser tão solitário. Vivendo sozinho, sem uma verdadeira companheira, sem um criado. Costumava dizer que seu isolamento era um castigo autoinflingido.” – p.115
(Wrath pensa consigo) “Aquela fêmea era perigosa para ele. Se o afetava daquela forma sem ao menos estar por perto, podia perfeitamente ser sua perdição.” – p.124.

Experimentam sentimentos desconhecidos, muitos deles: A Beth, o Wrath, a Marissa, o Butch... Experimentamos com eles. A forma da escrita envolve, cativa... Daí a série estender-se e ter sempre a ansiedade dos leitores pelo próximo livro. Neste, Wrath, guerreiro, aceita assumir seu papel junto a sua sociedade. Há a família, algo novo e querido pela rainha...
No próximo... (Será Rhage?) 



Um abraço apertado pelos músculos do Rei,
Carolina.


Nenhum comentário