Além da magia


Autora: Tahereh Mafi
Editora: Universo dos Livros
Ano de publicação: 2017
Número de páginas: 368

“Há apenas três coisas importantes para Alice Alexis Queensmeadow, de 12 anos: sua mãe, que não sentiria sua falta; magia e cor, os quais parem escapar dela; e seu pai, que sempre a amou. No dia em que seu pai desapareceu de Ferenwood, ele levava consigo apenas uma régua. Já se passaram quase três anos e Alice está determinada a encontrá-lo. Ela o ama tanto quanto ama aventura, e está prestes a embarcar em um para encontrar o outro.
No entanto, trazer seu pai para casa não será tão fácil. Alice precisa viajar através da mística e perigosa Terra de Furthermore; onde para baixo pode ser para cima, papel está vivo e esquerda pode ser direita. Sua única companhia é um garoto chamado Oliver, cuja habilidade mágica é mentir e enganar – e com um mentiroso em uma terra onde nada é o que parece ser, requisitará de Alice toda sua concentração para encontrar seu pai e conseguir voltar para casa sã e salva. Em sua jornada, Alice precisa se encontrar- e se agarrar à magia do amor diante da perda.”

Com uma linda capa e ilustrações internas da Juliana Fioresi e tradução do Maurício Tamboni, a Universo dos Livros lançou este ano aqui no Brasil Além da magia, publicado Furthermore, da autora Tahereh Mafi.

Confesso que a ilustração da capa chamou minha atenção. Ainda, gosto bastante da autora, li, comprei para emprestar, adquiri e-books extras publicados da série Estilhaça-me (publicados originalmente por outra editora, mas direitos já adquiridos por esta – sim, teremos relançamento e novidades futuras!)...

Mas nada como ler o livro e... Apaixonar-se!

(A beleza da estória e da Alice, não expressa nas suas cores externas, mas no seu coração!...)

Ferenwood, no interior de Fennelskein, foi construída com base nas cores, e é de lá nossa protagonista.

 “Em algum lugar do tempo, uma menina nasceu.” – p.7.

 Alice Alexis Queensmeadow

“Seus cabelos e pele eram brancos como leite; o coração e a alma leves como a seda. Os olhos tinham praticamente sido poupados de cores, traziam apenas o mais discreto toque de mel. Era o tipo de criança que seu mundo seria incapaz de apreciar.” – p.7.

(Por quê? O diferente também é belo e, se tudo for igual... qual a graça?*)

Nascer e crescer quase sem pigmentação... E tem uma ironia nisso, a qual não falarei ou, como diria o narrador, não teria a menor graça antecipar.

Pai sempre foi o seu incentivador e Alice o ama de todo o coração; Mãe não tinha muita predisposição para gostar dos filhos... É o que sabemos de início. Pai se foi quando ela tinha 9 anos e, desde então, Mãe a trata mal, coloca para dormir com os porcos... Sim, são Pai e Mãe, sem nomes, personificando.

Além das cores admiradas, flores que a Alice come... Há o Oliver Newbanks, que a fez ser expulsa da escola com comentário maldoso. Ele participou da Cerimônia de Entrega no ano anterior e ainda não conseguiu completar a tarefa que lhe foi dada. Pede a ajuda da Alice com um argumento forte para ela...

Mas o que é a tal Cerimônia? Ela ocorre anualmente, os cidadãos que completam 12 anos mostram sua magia, “entregam” ela para a sociedade, e uma tarefa lhe é dada para ser cumprida...

Alice sente-se solitária sem Pai. E se dá conta “de como sua mãe não precisava dela” (p.75). Ela lembra Pai:

“Abra seu coração. Afine os ouvidos. E nunca diga não ao mundo quando ele pedir para você dançar.” – p.72

Daí ela ter decidido entregar sua dança na cerimônia... O que se mostrou infrutífero. Imaginamos mas... o porquê exato apenas depois saberemos. No momento, apenas Alice; Pai sabe;  Oliver desconfia, mas ela terá futuramente que falar por si.

Sim, por vezes o narrador dá dessas também. Creio que é um modo da Tahereh demonstrar sua apreciação pelas Desventuras em Série e seu narrador que poderia falar algo mais, mas... poderia estragar a aventura. Sim, ela aceita ajudar Oliver pelo “prêmio”...

E parte para a sua aventura em Furthermore!


Cada um com a sua magia... A do Oliver? Dom da persuasão e sabe uma coisa de cada pessoa que conhece. Ele passou o ano tentando cumprir sua tarefa em Furthermore, sem sucesso. Conhece caminhos por lá... E talvez não fale tudo o que devesse para quem está confiando nele. O seu dom pode se tornar algo negativo. Entenderá ao ler alguns trechos em específico.

Poderia continuar a falar por muito tempo... Poderia reler e recontar cada pedacinho... Mas prefiro que você adentre o mundo por si, cautelosamente! Cuidado para não ser devorado; Segure sua régua;  Não roube tempo!... Acompanhe Alice e o Oliver na jornada! 





Um abraço,
Carolina
.

* p.234: “... Por que você precisa parecer com o restante de nós? Por que tem que mudar? Nós que mudemos o nosso jeito de ver. Não mude o seu jeito de ser.”

Nenhum comentário