O Ickabog

Autora: J. K. Rowling
Editora: Rocco
Publicado em 2020
N° de páginas: 288


"O livro tem 34 ilustrações de crianças brasileira escolhidas através do concurso O Ickabog.

Era uma vez um país minúsculo chamado Cornucópia, tão rico em felicidade quanto em ouro, e famoso por sua comida. Dos delicados queijos cremosos de Curdesburgo até as Esperanças-do-Paraíso, o doce mais amado de Profiterólia, tão delicioso que as pessoas choravam de alegria ao comê-lo.
Mas, mesmo nesse reino feliz, havia um monstro à espreita. Corria por lá a lenda de uma criatura assustadora que vivia bem longe ao norte, na Terra dos Brejos... o Ickabog. Alguns diziam que ele respirava fogo, cuspia veneno e rugia através da névoa, levando consigo ovelhas rebeldes e crianças. Outros dizem que era apenas um mito...
Mas quando esse mito ganha vida própria, lançando uma sombra sobre o reino, duas crianças — os melhores amigos Bert e Daisy — embarcam em uma grande aventura para desvendar a verdade, descobrir onde está o verdadeiro monstro e trazer esperança e felicidade para Cornucópia mais uma vez."


Um ser conhecido através de mito é usado como bode espiatório de outrem. Triste acompanhar as atitudes do Cupêncio, movido à ganância e mentiras, busca de poder e ouro! Outra história "infantil" (mas não tanto assim) complexa, que mostra até onde se pode ir com intuitos mesquinhos e egoístas. Para deixar a mensagem de esperança, quem salva o dia? Aqueles que iniciaram como crianças, diretamente atingidos, e com forte discernimento entre o certo e errado. (Agora, após anos, adolescentes.) 

O Ickabog é real? O que o rei Fred viu na bruma? O monstro? Ele é incomensuravelmente real: o (in)humano Cupêncio. Mentiras, estórias e estratégias para obliterar a verdade do rei e impor medo, disseminar temor por toda a população do reino. Ele passa por cima de quem for, infelizmente, não tem limites. Forja... Mata e manda matar, punir, enche as masmorras, sequestra. Realmente, um Enorme Monstro existe, mas não é o Ickabog!

Se parecer devagar inicialmente, não desista. Comecei a leitura em um momento em que não conseguia me fixar e pulava de um livro para outro. Foi uma jornada apavorante por sabermos que há, verdadeiramente, pessoas como o tal que reinou absoluto sem rei ser ou merecer coroa; gente que desvia e tira dos menos afortunados, mais necessitados, que não se importa se o outro passa fome ou frio, apenas angariando ouro para si. 

Triste - e ando sensível. Rs. 
Recomendo!


Um abraço
(E uma xícara de café, 
hoje é o dia dele! Rs.)
Carolina.

Nenhum comentário