Frio do além

Autora: Charlaine Harris 

(Harper Connelly Misteries, 3) 

Editora: Lua de Papel 

Publicado em 2012 

N de páginas: 248 



Harper Connelly e Tolliver estão na costa leste. Há muitos mortos nesta parte dos EUA e, portanto, é bem cansativo para ela. Mas trabalho é trabalho e o atual os leva para lá, e será para a polícia, o que normalmente significa pouco dinheiro. Quando chegam ao destino deles descobrem não se tratar de um, mas seis! Primeiro serial killer dela. Eles são levados até a avó de um dos "desaparecidos", Twyla Cotton. Hoje ela é uma viúva de posses mas antes foi cozinheira da casa. Percorrem locais... zunidos... Não seis, mas oito!


Pressentimentos, desmaios... Polícia, emissoras de tv... Tolliver sempre ao seu lado! Resolvem sair da cidade de Doraville e ficar na ao lado enquanto aguardam os técnicos forenses. Ela não está bem... Quando vai no carro e é agredida: aperta o botão de pânico e a buzina faz agressor fugir. Acorda no hospital: fratura, concussão, pontos na cabeça, gesso móvel e analgésicos. Tentam abordar ela quando o Tolliver vai pro hotel tomar um banho. Ela é informada que um site a segue pela amiga Xylda, que tem pouco tempo de vida, e o neto. (Lembram deles? Foram-nos apresentados em Surpresa do além) Eles foram até ela mais uma vez. Tolliver os encontra lá e não gosta: ciúmes do Manfred (neto sensitivo). As coisas parecem estar mudando desde o caso anterior... 


Quando o administrador do hospital aparece, Tolliver se apresenta como empresário da Harper. Ela tenta não parecer surpresa. Certo, antes que pensem mal... Eles sempre se auto-denominaram meio-irmãos mas não o são. O pai dele casou com a mãe dela quando eram crianças, o laço entre eles sempre foi emocional, não de sangue (sabemos disso ao ler o primeiro livro, Visão do além, embora eu não tenha escrito na resenha). Tolliver está preocupado com ela - a tentaram matar! E ela está assustada, ferida e solitária. 

"Sabia que queria mais de Tolliver do que ele podia ou deveria me dar, e tinha que esconder aquilo de todos, especialmente dele." - p.85

Querem ir embora, fazem o check out após ela ser liberada do hospital, mas não conseguem. Xerife a ameaça caso não siga com ela... Mas o que a xerife mostra seria um caso mais para a Xylda, que é chamada. Chuck, um garoto de treze anos, que mata animais, confirma com a Harper que ela só consegue encontrar a pessoa caso esteja morta. Estranho?!? Nãããooo, nem um pouco! Há muita confusão ao redor, não apenas com repórteres e incidentes, mas pessoas! Xylda se preocupa com a Harper e confessa que logo terá "partido". 


Seria um assassino? Nebulosidade...

- Não sou seu irmão. - Eu sei disso. - 


Mortes, confissões, encontros, suicídio. A cada caso, livro, mais é acrescentado! É uma pena que o último livro não tenha sido lançado pela Lua de Papel (antigo selo da Leya), mas comprei em inglês e espero ler em breve! Em pensar que comecei a jornada com a Harper e o Tolliver anos atrás devido ao título do primeiro livro, detalhes de fumaça nas páginas e curiosidade! Que raio foi esse!!! Como ele pode "ter concedido tal dom" para a Harper?!... Rs.



Um abraço,

(sem zunidos)

Carolina.

Nenhum comentário