Mães, filhas e esposas

Autora: Chiara Ciodarot
(O Clube dos Devassos)
Editora: Independente
Publicado em: abr/2020
No. de páginas: 394

Oi, oi, oi!... Ainda tentando aterrissar de volta ao planeta Terra no ano de 2020 após o passeio por 1871 - 1883. Infância e adolescência das Almeidinhas!

Que livro doce!

Aquece. O senso de família apesar das brigas (ah, Alice!!... Merece 'uma coça'!), as peripécias das brincadeiras infantis, busca por aventuras, fadas, índios, piratas... As ânsias pelos bailes, olhares, ou fugas dos mesmos pela Laura! Rsrs.
"É inevitável, mas nós mulheres devemos ser ao mesmo tempo: mães, filhas, esposas, vizinhas, amigas, irmãs, conselheiras, educadoras, donas do lar, patroas, donas de nosso próprio ambiente." - Sra. Glória Almeida [70%]
São cinco irmãs e um irmão mais velho, o Arturzinho.
Manuela, Alice, Laura, Virgínia e Mariana (em 1871: 15 anos, 12, 9, 7, 5 e 3) As personalidades são bem distintas. Eu poderia enrolar, mas falei até para a Chiara: Alice, ou Alicia, como passou a querer ser chamada por achar 'mais chique' é... Um sa-co! Kkk! Bem, toda família tem que ter uma 'ovelha negra'! A Manuela está comprometida praticamente desde que nasceu com um primo! A Virgínia é observadora, consiliadora, bela... e desde criança tem uma saúde mais frágil. A Mariana é uma espoletazinha mas sente... Um bom exemplo é o sofrimento que passa quando vê um escravo fugido machucado. 

A Laura... ela é uma aventureira exploradora que não quer crescer, não quer casar... Histórias e histórias! Conhece um 'índio branco', em Petrópolis, quando se perde pela mata ao redor da propriedade dos avós, e a empatia brota, a amizade é instantânea!
"... Ele era só um garoto! Não tinha o que falar dele. E não havia nada de romântico nisso. Não havia nada de romântico em meninos. Eca!" - Laura [20%]
A sociedade demandava o crescimento, um certo "abandono da infância", porque uma mocinha não faz/fala... Você tem que se comportar assim e jamais de outra forma ou... E Laura quer ser livre, correr descalça, brincar, criar estórias, vivê-las..! Ela quer usar calças e ter cabelos curtos porque embaraçam enquanto corre!!! Rs. Uma figura!

O panorama da época nos é dado de uma forma bem gostosa e (termo utilizado no livro) pueril! Rs. É acolhedor. Também assustador se você se coloca no lugar das crianças daquele período da história. Lauro é um exemplo, com sua mãe que poda de tudo! Ele fala como adulto, veste como adulto, enquanto vê primos brincarem... É bem frustrante. (Aquela mãe dele..!) 

As fadas, que poderiam ser vagalumes, vão ficando para trás... O escravo fugidio encontrado e esquecido por mais de dez anos... A família conta com parcos recursos, e com reclamações da Alice pela falta de empregados já que o pai alforriou os escravos. A forma com a qual Nana é tratada por ela, contrastando com a dos demais membros a família...

Sei que há algo. Tenho minhas suposições. O protegido do sr. recluso (Ouro Verde) - creio saber quem é. O quarto escondido... Histórias contadas... Sentimentos. Momentos. Os problemas que o pai, o responsável pela família, não relata. Sei que relerei O lobo do império. Sei que o Raimundo está lá, como apareceu brevemente nAs inconveniências de um casamento... Ok, Sei que relerei A baronesa descalsa, nem que seja para matar a saudade do Montenegro... Mas há pistas... 

E a minha boca tornar-se-á um túmulo... 3-2-1 - Já!

Convido a passar um tempo com distinta família em Petrópolis. Sei que não é de bom tom levar convidados a uma festa ou reunião para a qual fui convidada mas... não pretendo mesmo arrumar pretendente nessa temporada e sei que muito vai acontecer até que a próxima se inicie! 

Venha comigo!
(Disponível no Unlimited. ;D)


Um abraço,
Carolina.

4 comentários

  1. Amo mto as tuas resenhas Carol ❤️.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh, obrigada, sweetie!
      Espero que goste do livro tanto quanto eu! ;*

      Excluir
  2. Amei a resenha, senti tudo isso que vc sentiu e foi maravilhoso. E bora ser um túmulo ������

    ResponderExcluir