Vidas em colisão

Autora: Kristina Beck
Editora: Cherish Books Br
Publicado em: 12.05.19
No. de páginas: 431
O acaso não existe!
Você pode planejar sua vida, mas, às vezes, a vida tem seus próprios planos…
Após viver uma experiência de quase morte na adolescência, Lisa é assombrada pelos olhos verde-esmeralda do estranho que salvou sua vida. Sua única conexão com ele é a jaqueta de couro que fora deixada para trás. Anos mais tarde, ela ainda está se recuperando das consequências de seus ferimentos, convencida de que nenhum homem irá amá-la quando descobrir seu segredo. Vive uma vida de solidão e se esconde atrás de seus dias de monotonia. Até surgir James.
Depois que James ajuda uma jovem garota em um acidente de carro, ele define seu curso de vida, determinando que nada ficará em seu caminho. Uma vez que realiza seus sonhos, um grande imprevisto muda sua existência ordenada para uma onde o caos passa a reinar. Ele se afunda em um abismo do qual não consegue reunir forças para sair. Até que Lisa se torna uma linda distração.
A familiaridade e a sensação de paz acabam por atraí-los um para o outro. Eles logo descobrem que viveram vidas paralelas que se entrelaçaram nos pontos mais cruciais. Será que suas revelações poderão ajudá-los a enfrentar seus medos e seguir em frente, ou a história se repetirá?

Sabem, eu gosto muito de um autor nacional chamado Rubem Alves. (Falava dele ontem com a Chiara...) Daí vocês podem vir a pensar: Carol conseguiu pirar de vez! Será que foi a dor da DTM ou os remédios que ela está ingerindo?.. Porque, gente, ela não ia falar de Vidas em colisão da Kristina Beck? Será necessário intervenção?... 

Deixem eu explicar. Ele, quando conta (/va) uma história tem um jeito todo dele, peculiar. Ele nunca vai direto; como um bom contador de histórias ele tenta te convencer a chegar onde ele quer te envolvendo, ou palavra que ele próprio usa (/va) em seus textos sobre a leitura... ele te seduz. Ele é (era) um sedutor! O texto tem que seduzir! Não direto ao ponto, sempre tem toda uma história, uma circunstância um... Como dizem, "comer pelas beiradas para não se queimar".

Comecei a leitura despretensiosamente, nunca ouvi falar da autora. Não começo com "a narrativa deste livro se alterna entre os pontos de vista das personagens principais"... Estava lendo outros livros em paralelo, inclusive outro da Cherish Books Br que já publiquei resenha. Mas esse livro foi me envolvendo pelas beiradinhas... e me envolveu ao ponto de não conseguir dormir, já às 3:34 da madrugada. Eu não consegui parar para dormir! Dez minutos antes do término do livro eu precisei parar para conseguir respirar, tamanha a intensidade do meu envolvimento. E a história pedia que eu respirasse.
São profundas as histórias das personagens, encontrando-se em momentos diferentes sem que se "encontrassem", sem que reconhecessem quem elas eram apesar dos traços de cada um que ficaram gravados nas suas memórias e subconsciente... A autora não só tem uma sensibilidade muito grande quando ela escreve sobre... como ela puxa a gente pelo pé - as personagens puxam umas às outras pelo pé... e você se vê se questionando: o que eu faria nessa situação? Você se torna amigo das personagens e gostaria de estar lá! 

Elas acreditam estar quebradas quando finalmente "se conhecem". 

A Lisa sofreu um acidente grave quando adolescente e perdeu a mãe, tendo complicações ela própria, mas sobrevivendo graças a ajuda que teve de um desconhecido (do qual lembra apenas ter olhos verdes e ter dado a jaqueta para ela visto que tremia, jaqueta esta que a conforta até a vida adulta), mas tendo de lidar com as consequências do acidente: jamais poderá ter filhos, vários médicos disseram. Passou por inúmeros profissionais da área de psicologia e psiquiatria, jamais aceitando a intervenção medicamentosa. Ela escolhe descontar no exercício de corrida. Lisa decidiu que faria medicina, ajudaria outras pessoas com estresse pós traumático, como foi ajudada.
James trabalhou em um posto de gasolina quando no final do ensino médio por um tempo... Foi despedido certo dia, após atraso devido a um acidente que ocorreu na sua frente, no qual ele saiu do carro para tentar ajudar. Ele resgatou do sinto de segurança uma jovem, colocou-a em seu carro pois ela tremia... Retornou e viu que não podia fazer nada pela motorista além de correr para a casa mais próxima e pedir ajuda, ligar para emergência. (Lembra-se apenas dos grandes olhos azuis...) Frustrado por não ter feito mais, decide que cursará medicina e programa toda a sua vida com tal objetivo.
Como James teve um acidente onde esquiava com a irmã, anos depois, não poderia mais ser cirurgião, onde precisaria de 100% da sua capacidade de precisão com as mãos. Mas resolveu tornar-se médico socorrista, da emergência. Do tal acidente ele lembrava-se apenas que alguém colocou sua cabeça no colo e que falava com ele em uma voz doce, reconfortante... 

Escola de medicina. Orientação para a Lisa, caloura. Há uma fila que não anda e um rapaz, que deveria estar orientando, flerta com outra orientadora - ambos residentes. Ela aguarda até que cansa, fala algo e se retira, esbarrando em Bryant, que a convida para um café, que é modificado para convite noturno em bar próximo à universidade. 
Um encontro em mesa orientadora na universidade... James precisa apenas colocar os olhos na ruiva para saber que era ela! Ele sente algo diferente e estranho. Ele nunca esqueceu da garota do acidente, procurou saber dela e da mãe nos jornais após o acidente e... nada. A Jéssica o desperta - bem como aos seus hormônios! Um convite: encontraram-se no bar próximo à universidade.

Dois primeiros encontros e relacionamentos bem diferentes um do outro se formam naquela noite. Duas histórias... Outro strike: festa de aniversário da colega do Bryant, que termina a residência e a Lisa adoece, não pode ir... Ele vai. (Acredito não precisar falar sobre.)

Uma perda enorme para o James ocorre ano depois ele larga tudo, entrega-se ao álcool... Um ano disso e, no bar onde teve o primeiro encontro com a sua alma gêmea, uma estranha inconveniente se senta ao seu lado no bar onde ele apenas pretende permanecer bêbado. Há outras banquetas! Aff!... Ela pede o mesmo: uísque. 

"- Você está bem? - ela pergunta com preocupação.
- Estou bem. Eu choro quando escovo meus dentes com uísque. Você tem algum problema com isso? - Eu me viro quando me afasto novamente dela." [22%]

Ela pede refil para ambos, depois, água. Ele começa a falar... Não sabe se para si mesmo ou para a estranha ou para quem quisesse ouvir! Bêbado, fala da Jéssica. E ele nunca fala! Não quis procurar ajuda profissional quando a perdeu - ela e seu bebê/feto. Hoje ele mora com a irmã, a Alexia, que se preocupa com o irmão profundamente...

Então, a história deslancha! Nós já sabemos de algumas coisas, mas a jornada é o que mais toca. Não o quê, mas como. Destino. Quando se dão conta de quem são um para o outro, reações divergem... 
"Eu não tenho ideia de porque estou tão calmo. O que sei com certeza é que quero beijar você."
Ainda estou tocada demais, quase não dormi e perderia a noite novamente se fosse necessário para estar junto com eles! O apoio é fundamental. O envolvimento, impossível não ocorrer. Descobertas, amparo, famílias, traumas...


"... Sha la la la Eu estou apaixonado por uma menina de Jersey


Você sabe que ela me emociona com todos os seus encantos
Quando eu me envolvo nos braços de minha querida
A minha menina me dá tudo
Eu sei que algum dia ela vai usar meu anel
Então não me incomode, homem! Que eu não tenho tempo
Eu estou no meu caminho para ver aquela minha menina
Porque nada importa neste mundo inteiro
Quando você está apaixonado por uma menina de Jersey..."


Sim, ela é uma garota de Jersey...
Conheça-os! Desafio a não se envolver! Rs.


Um abraço,
Carolina.

Nenhum comentário