O duque e eu


Autora: Julia Quinn
Coleção: Os Bridgertons
Editora: Arqueiro
Ano de publicação: 2013
No. de páginas: 288

“Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo.
Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.
Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.”

Sim, finalmente li um livro da amada por tantos: Julia Quinn! Kkkk! E entendi o “furor”. A escrita é envolvente e... Sim, apaixonei-me pelo Simon e pela Daphne. 

Sei, a “receita”... ela existe. Mas o modo de contar a história é o que conta, as personagens criadas.

Ãh... “RECEITA”?! A srta. se difere das demais, tem pensamentos próprios... E o sr. é alguém da alta sociedade, posses, visto como um conquistador ou canalha, tem fama, não pensa em mudar, até conhecer a srta. Ele tenta fugir dos sentimentos e... Geralmente há um trauma.

Mas, Carol, se há um padrão, por que ler tantos livros, tantas autoras? Falarei o que digo para alunos e já ouvi de professora de Universidade Federal: ninguém escreve igual a ninguém. O estilo da escrita... é decisivo. Já li muitos livros, muitos gêneros... Há os que te prendem desde o início, ou logo depois disso, ou... E os que em nada te envolvem. Há autores que cativam. E, após cativados, queremos mais! Precisamos de mais.

Se você tivesse ido a uma aula introdutória de Elementos Básicos de Teatro com o professor Petrovich, teria, provavelmente, ouvido ele falar que toda história tem como base a jornada do guerreiro: há um “algo” a ser “solucionado” e, para tal, o guerreiro se lança em uma jornada na qual haverá elementos, empecilhos... Chega-se ao ápice, há o enfrentamento, o crescimento, o regresso e a premiação.

Mas ninguém é igual a ninguém. O trauma do Simon não se iguala ao do sr. X ou Y, o modo como vê, sente... Por mais que nas épocas em que se dão os romances os homens tenham seu orgulho, o modo de lidar com ele, como vê a necessidade de o transpor...

Certo, você não veio para uma aula, mas para saber do duque e da srta. Bridgerton, a mais velha dentre as garotas da família, que conta com a presença constante dos irmãos mais velhos Anthony, Benedict e Colin. Sim, nomes seguindo a ordem alfabética! Rs. Ela sabe dar socos, ouve as conversas dos irmãos, já que falam na sua frente. Sabe como lidar com alguns comportamentos deles. Ela quer, sim, casar e ter filhos, mas não com qualquer um! Já teve ofertas que lhe causaram... Bom que o irmão mais velho e “chefe” da família leva a opinião dela em consideração. A maioria dos homens a veem como uma amiga.

O duque de Hastings não pretende ter família, passar adiante o título que tanto despreza, adquirido com a recente morte do seu progenitor – porque pai ele nunca foi! Não conheceu a mãe, que morreu ao dar a luz a ele, cumprindo sua obrigação como duquesa – provendo a sucessão da linhagem. Ela já tinha perdido filhos ainda na gestação e dois nasceram mortos. Não era para ter tentado outra vez, mas tinha seu “dever”... Quem deu carinho a ele, acompanhou, proveu incentivo para superar dificuldade, apoiou e amou foi a filha da ama da mãe dele, a atual governanta da propriedade principal da família no campo.

Ambos se conhecem em uma festa, a qual ele apenas foi por considerar a anfitriã, Lady Danbury. A Daphne está em uma situação... inusitada... e o Simon, que não pretendia interferir, teve que o fazer. (Foi engraçado!.. Tá, não fui eu!.. Kkkk!) Há um certo flerte da parte dele, até que se dá conta de quem ela é e, bem, há essa regra com relação às irmãs dos amigos.
Google Imagens
Ambos acabam por firmar um acordo verbal, o qual beneficiaria aos dois. Só não imaginavam que o fingimento os envolveria como ocorreu – claro! Querem coisas diferentes. Ela consegue mais pretendentes, ele se livra de ter que passar novamente por situações como a daquela festa: apresentado a todas as solteiras, mães, bilhetinhos de casadas!.. E esposas de seus amigos de colégio que casaram. Ainda mais um duque!!..

Daphne não pensa no título – será a única?.. Rs – Mas, bem, ele tem olhos azuis frios que parecem derreter quando com ela, é inteligente e tem humor! Sente-se à vontade com ele, seu coração acelera... Não é desmiolada como as outras, tem a farta cabeleira castanha da família, olhos... Ele sente-se bem, conversa sem ter que se preocupar e pensar em tudo antes de falar. Só que a Daphne é a irmã do Anthony...

Ele se controla, controla a atração que sente... Mas na última festa, a qual sequer compareceria mas... Cede... Sede...

E o amigo vê – o irmão vê.

E parece que não foi o único.
Duelo. Sabe que está errado, não puxará uma arma contra o amigo... Morrerá. Daphne não pode deixar!... E sua honra... Boatos... Ele precisa salvá-la!

Bom, ir adiante seria demais – você precisa ler! Não parei até que acabasse, às 2a.m...

Convido a conhecer tal família, oito filhos, nomeados em ordem alfabética. 

Convido a conhecer o Simon e não se importe se ele g-g-ga-gue-j-j-ar! 



Um abraço,
Carolina.

2 comentários

  1. Hahaha Adorei, uma familia com oito filhos já é muito, agora nomeados em ordem alfabética e totalmente diferente. Adorei sua resenha, como sempre trazendo algo a mas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :) rsrs
      Imagine! Você tem um irmão mais velho... Ele começaria com A e, vc, com B!... Kkkk! :*

      Excluir