Jogos Vorazes - Releitura: impulsionamentos

"Eu não sou muito boa em fazer amigos."
- É a melhor! Verdadeira. -

Katniss não premedita, ela reage.
E o que a faz agir/reagir? Impulsos.
Que tipo de impulsos?
* Sobrevivência.
* Defesa dos que "toma para si". 
* Preservar a vida, contanto que isso não vá de encontro às duas primeiras. 
(Lembrei agora das diretrizes dos robôs. Uma terceira diretriz contanto que não coloque as anteriores em cheque! Rs.)

Ela é verdadeira. Não é boa em cumprir papeis que lhe são dados. No seu treino com Haymitch não conseguiu fingir nenhuma personalidade que ele tentou que imprimisse... Por que desempenhou relativamente bem nos jogos? Duas leis anteriores. Ela não se dá conta por nunca ter parado para pensar ou analisar ou se permitir sentir! Mas ela sente - "já tomou o Peeta para si"! Assim como quando Gale tenta investir e ela admite para si que nunca pensou nele daquela forma, ela jamais pensou em alguém daquela forma! Seu primeiro beijo foi nos jogos, apesar de ter dezesseis anos. Ela mesma admite, mesmo que apenas para si, que o beijo no qual não havia febre ou frio a fez sentir algo, mas ela sobrepôs pensamentos de sobrevivência - a primeira regra.

Os rompantes... Proteger a irmã; proteger a Rue; proteger ao Peeta... Ela protege. É quem é. Ela age. Caça. Provêm. Ela se joga. Ela faz aliança, não quer ter que pensar no depois, jamais conseguirá ir contra a Rue! (Prim tem a mãe, o Gale, o padeiro que prometeu não a deixar com fome... Rue tem, naquela arena, apenas a ela.) Quando sem forças na arena é o pensamento de que a irmã a vê que a faz se mover! Ela deixa escapar o nome dele, do Peeta, quando dito que pode ter mais de um vitorioso desde que do mesmo distrito. Não pensa, reage instintivamente. Não queria ser ela a ter que matá-lo. Não queria ter que deixá-lo. Já sentia sua falta...

"Provavelmente ele já até esqueceu. Mas eu não, e jamais esquecerei." 

"Pessoas gentis conseguem se instalar dentro de mim e criar raízes." 

"Sempre mantive o garoto do pão em rédeas curtas."

"Não sou sempre antipática. Tudo bem, não saio por aí amando todo mundo que encontro pelo caminho, meus sorrisos não aparecem com facilidade, mas me importo com as pessoas."

E é essa preocupação que a move. Seus sentimentos...

"Ele está falando de mim! Pressiono os lábios e miro o chão, na esperança de esconder as emoções que começam a se agitar dentro de mim." 

Sentimentos não são práticos, facilmente solucionáveis...

"... esse gesto parece natural e reconfortante. Não quero que ele pare e ele não para. Ainda está acariciando meus cabelos quando caio no sono." 

A falta do hábito de gestos carinhosos simples, um olhar, um afago... desde a morte do pai, que era quem os provinha.

"Balbucio. Não sou tão desenvolta com as palavras quanto Peeta. E enquanto eu estava falando, a perspectiva de perdê-lo de fato atingiu-me novamente e me dei conta do quanto desejo que ele fique vivo. E não tem nada a ver com os patrocinadores. E não tem nada a ver com o que vai acontecer quando chegarmos em casa. E não é pelo simples fato de que eu não quero ficar sozinha. É por ele. Não quero perder o garoto do pão."

"Esse é o primeiro beijo que eu realmente sinto chacoalhar o peito. Gostoso e estranho. Esse é o primeiro beijo que me faz querer mais."

"Peeta se aproxima e coloca as mãos em meus ombros. Só então percebo que estou tremendo." 

Ela não entende o que ocorre porque não lhe é familiar. 

"Mas estou presa aqui não só pelas paredes do aerodeslizador como pela mesma força que segura aqueles que amam aos que estão para morrer. Quantas vezes não os vi, ao redor da mesa de nossa cozinha, e ficava imaginando: Por que não vão embora? Por que ficam para ver? 
E agora sei a resposta. É porque não há alternativa." 

"Também quero dizer o quanto já estou sentindo a sua falta. Mas isso não seria justo da minha parte."

Quem diz que o sentimento enfraquece não se dá conta do quão errado está! Todas as vezes que ela emocionou agiu segundo eles! Haymitch lançará uma certa "luz" quanto a isso mais tarde, quando quiserem que ela desempenhe o papel do tordo. Sua força é movida pela ira por injustiças... Pelo sentimento de proteção... Ela tem uma pureza no coração! Quando mata pela primeira vez, ativamente, com sua flecha, só se dá conta depois. Ela queria proteger a Rue. Falhou. Doeu. Rue pertencia ao seu coração! Como a Prim, como o Peeta...  Gale lhe é familiar - e inicialmente não era assim. Anos compartilhando na floresta, suprindo suas famílias... Não é o mesmo. 

Eu tinha colocado os números das páginas das citações, mas resolvi retirar... Sei que se passaram anos mas há quem esteja lendo agora e acredito ser legal seguir lendo até se deparar, repentinamente! Rs. Peeta a ama desde os cinco anos de idade! É um fofo! Relendo pela terceira vez e continuo me exaltando como da primeira! As injustiças... O distrito 11 produz mas não pode comer - pegar comida significa execução. Peeta, padeiro, decora os bolos, mas só pode consumir eles quando começam a ficar insossos! O mesmo ocorre em outros distritos. Produzem, colhem... O carvão que o 12 utiliza não é o escavado para a Capital!

Em dado momento ela sequer consegue manter a raiva dos tributos carreiristas, os que treinam para se voluntariar! Manobras... (Nem dos seus preparadores consegue sentir raiva! Para ela eles são como animais de estimação, eles não entendem porque foram criados lá, dessa forma, com o pensamento de "normalidade".) É a Capital a culpada! Ela os coloca uns contra os outros!  (Snow...) Sentimento novamente, direciona sua ira! Força! Sem pensamento, apenas reações. Um enorme coração!

The girl on fire!


Um abraço,
Carolina.

Nenhum comentário