A cinco passos de você

Autora: Rachael Lippincott
Editora: Globo Alt
Publicado em 2019
No. de páginas: 288
"Stella Grant gosta de estar no controle. Ela parece ser uma adolescente típica, mas em sua rotina há listas de tarefas e inúmeros remédios que ela deve tomar para controlar a fibrose cística, uma doença crônica que impede que seus pulmões funcionem como deveriam. Suas prioridades são manter seus pais felizes e conseguir um transplante – e uma coisa não existe sem a outra. Mas para ganhar pulmões novos, Stella precisa seguir seu tratamento à risca e eliminar qualquer chance de infecção, o que significa que ela não pode ficar a menos que dois metros de distância – ou seis passos – de outros pacientes com a doença. O primeiro item é fácil para ela, mas o segundo pode se provar mais difícil do que ela esperava. O único controle que Will Newman deseja é o de sua própria vida. Ele não dá a mínima para o novo tratamento experimental para o qual foi selecionado e não aguenta mais a pressão de sua mãe para que melhore. Prestes a completar dezoito anos, ele mal pode esperar para finalmente se livrar das máquinas e hospitais, usando o pouco de vida que ainda lhe resta para conhecer o mundo. Stella e Will são muito diferentes. Ao mesmo tempo, a doença que os une não é a única coisa que têm em comum. Eles têm que ficar a seis passos um do outro, mas, conforme a conexão entre os dois aumenta, a vontade de burlar a distância física parece insuportável. Um grande amor vale um passo roubado?"

 Essa estória "me roubou o ar". Desculpe se parecer... devido ao problema respiratório das personagens principais, mas quando choro assim produzo muco e fico "bloqueada" - se não parar para assoar o nariz puxo o ar pela boca até não conseguir mais e, de qualquer forma, ter que parar para assoar o nariz e voltar a respirar normal! Nem quero imaginar como seria não ser apenas assoar o nariz ou ter apenas 35% da capacidade pulmonar!

E essa estória da Stella e do Will me fez "abrir a torneira", chorei horrores! Sim, sensibilidade aflorada e chorona esses tempos! Rs. Um amor puro, real, onde o bem estar do outro se sobrepõe ao querer individual - algo cada vez mais escasso.

Comecemos do início: eles tem FC (Fibrose Cística), o que diminui a capacidade pulmonar. O melhor amigo de infância da Stell também tem, conheceram-se no hospital através da Abbey, irmã mais velha da protagonista youtuber*, aos seis anos de idade. Nome? Poe.
(* A Stella tem um canal onde fala da doença, dias com ela, tratamentos, curiosidades, etc.)

Enquanto os dois amigos conhecem cada parte do hospital, o Will chega pela primeira vez para o tratamento, ainda em fase experimental, um dos vários aos quais já se submeteu ao redor do mundo: viajar sem sair de hospitais sempre iguais, levado pela mãe. O pai? Sumiu quando ele foi detectado com a doença. Além da FC, há oito meses descobriu a B. Cepácia (Burkholderia Cepácia), uma bactéria super-resistente e adaptável.

Se os portadores de FC tem que manter seis passos de distância entre si, imagine um deles tendo B. Cepácia também?... Mas fica impossível não "roubar um passo" quando tanto está "sendo roubado"!!! Cinco passos. É o limite que a sempre cuidadosa Stella dá para ela e para o Will, a distância de um taco de sinuca.

Ele desenha... Ela programa! Sério, ela desenvolve um programa para ajudar no tratamento, onde se coloca nomes, horários, dosagens... Ele já não se importa, quer apenas viver o pouco que ainda tem. Ela precisa seguir tudo à risca para ficar na lista, receber um pulmão novo e "segurar os pais", que se separaram após a perda, um ano antes, da Abby...

Não quero falar mais porque preciso que leia e me diga o que a leitura despertou em você! Um "Eu não quero que ele morra" (73) torna-se mais...
"Para mim, foi fácil desistir. Foi fácil lutar contra o tratamento e me concentrar no tempo que ainda tenho. Parar de me esforçar tanto para ter só mais uns segundos de vida. Mas Stella e Poe estão me fazendo querer cada segundo a mais que eu conseguir. E isso me aterroriza mais que tudo." - p.134
Eu iria querer, se fosse...
Eles se motivam, impulsionam... Outra perda pode significar... O que perdas podem vir a fazer conosco!! Cada momento único, cada sorriso ou olhar, cada passo tirado, cada carinho não feito ou beijo jamais trocado... Registrados, vividos intensamente em corações apaixonados acompanhados de pulmões falhos. 

(Necessito respirar agora um pouco mais...)
Sei do filme e exibido em março  de 2019. Assisti após comprar e antes de continuar a leitura do livro. Como os livros geralmente trazem mais, prefiro assim para não "assistir com raiva" - rs. (Há uma cena final...) Lembro de falarem que eu precisava assistir o filme! Então vi o livro e o trouxe comigo.

Convido a se envolver. Lutar. Apaixonar.


Um abraço,
Carolina.

2 comentários

  1. Eu chorei horrores no decorrer do livro e amei essa leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem fe fale! Não tinha assistido antes, alunos falaram muito, pediram que eu assistisse... Comprei o livro, assisti. Chorei com ambos! Rs.

      Excluir