Cilada para um marquês

(Também publicada  no Carollivros.wordpress.com)   

Autor: Sarah MacLean
Editora: Gutenberg
Ano de publicação: 2016
Número de páginas: 320
"Sophie Talbot é conhecida pela Sociedade como uma das Irmãs Perigosas – Talbots que fazem de tudo para se arranjar com algum aristocrata. Porém, se existe algo que Sophie abomina é a aristocracia.
Quando ela se torna o centro de um escândalo, ela decide de partir de Londres e voltar para o interior onde vivia antes de seu pai conquistar um título, onde ela pretende abrir sua própria livraria.
Mas ao fugir de Londres seu destino cruza com o de Rei, o Marquês de Eversley e futuro Duque de Lyne, um homem com a fama de dissolver noivados e arruinar as damas da Sociedade. Rei está a caminho de Cumbria para visitar o odioso pai à beira da morte e tomar posse de seu ducado. Tudo o que ele menos precisava era de uma Irmã Perigosa em seu encalço.
O Marquês está convicto de que Lady Sophie quer seu título, casamento. Já Sophie tenta provar que não se interessa por tais coisas. (...)
Essa viagem será mais longa do que eles imaginavam."
smile-rubroEntusiasmo, risos, lágrimas... Entrei mesmo na história!
 
Este foi o primeiro romance de época que li. Ele foi indicado para o Clube do Livro da editora e o li em pouco mais de um dia, afinal, tive que parar, sair...
 


A Sophie é uma mulher muito corajosa, e tem minha admiração. Ela lembrou-me um pouco a Elisabeth Bennet, da Jane Austen, com seu amor pelos livros, pensamento próprio, língua ferina para uma mulher da época, afinal, vive em 1833! E, nessa época, as mulheres não eram dadas a leitura e pensamentos próprios, mas tinham que se tornar o esperado para conquistar um casamento. Sua mãe sempre a repreendeu, embora seu pai lhe proporcionasse alguns livros.

Já o Rei... aff! rs. Ele tem fama... Ele tem postura... Tudo o necessário para "repelir", afinal, acredita ter motivos para, um porquê no seu passado. Não pretende passar adiante o nome da família ou criar laços. Será que ele é realmente tudo o que pintam?... Sabemos que histórias são criadas e alimentadas... imagine com todas as fofocas e escândalos?!?..


A partir de um flagra e exposição, Sophie adentra a empreitada, uma fuga, em busca da liberdade longe da Londres na qual não pediu para morar. Não suporta os tabloides, ao contrário das irmãs. Ela se veste de homem... Parte para o seu passado, 10 anos antes da aristocracia... Pega transporte duvidoso, se arrisca por inocentes, é baleada... Convive com o marquês. Este, ao contrário da fama conquistada, tenta agir corretamente, embora haja deliciosos deslizes.



(Que carruagem!... Que viagem...!)



Precisamos nos ater ao nos expressarmos... para evitar circunstâncias, para evitar enganos... Precipitações... Impulsos. Reconheci muita gente, por vezes, a mim mesma, em situações ligadas ao afetivo, durante a leitura. Amig@s, estudantes... tantos! E o Orgulho pode... Mas a beleza em pequenos gestos, que cativam... 💜 ... também!



Apaixone-se! Ria. Chore. Perca o fôlego!
 


Um abraço,
Carolina.

Nenhum comentário